ECOARTIGOS

ÁGUA: RECUPERAR, CONSERVAR E PRESERVAR


A água vem se tornando cada vez mais escassa à medida que a população, a indústria e a agricultura se expandem. Embora os usos da água variem de país para país, a agricultura é a atividade que mais consome água. É possível atenuar a diminuição das reservas locais de água de duas maneiras: pode-se aumentar a captação, represando-se rios ou consumindo-se o capital -- "minando-se" a água subterrânea; e pode-se conservar as reservas já exploradas, seja aumentando-se a eficiência na irrigação. ou importando alimentos em maior escala -- estratégia que pode ser necessária para alguns países, a fim de reduzir o consumo de água na agricultura.
Assegurar a quantidade de água necessária não basta. É preciso manter a qualidade da água.
Milhares de lagos estão atualmente sujeitos à acidificação ou à eutroficação - processo pelo qual grandes aportes de nutrientes, particularmente fosfatos, levam ao crescimento excessivo de algas. Quando as algas em quantidade excessiva morrem, sua degradação microbiológica consome grande parte do oxigênio dissolvido na água, piorando as condições para a vida aquática. É possível restaurar a qualidade da água nos lagos, mas há um custo e o processo leva anos.
Embora a poluição dos lagos e dos rios seja potencialmente reversível, o mesmo não acontece com a água subterrânea. Como a água subterrânea não recebe oxigênio atmosférico, sua capacidade de autopurificação é muito baixa, pois o trabalho de degradação microbiana demanda oxigênio. A única abordagem racional é evitar a contaminação.
Por sua vez, a recuperação da qualidade da água do oceano é incomparavelmente mais dificil do que a dos lagos e rios, segundo experiência já adquirida, que dita ainda mais precaução nesse caso.
Tomou-se clara a necessidade de uma abordagem integrada. Expectativas sócio-econômicas devem se harmonizar com as expectativas ambientais, de modo que os centros humanos, os centros de produção de energia, as indústrias, os setores agrícola,. florestal, de pesca e de vida silvestre possam coexistir. Nem sempre o fato de existirem interesses variados significa que devam ser conflitantes. Podem ser sinergisticos. Por exemplo, controle de erosão caminha junto com reflorestamento, prevenção de enchentes e conservação da água.
Um projeto de manejo de recursos hídricos "deveria visar mais um aumento da eficiência no consumo de água do que um aumento da disponibilidade de água. O aumento do fornecimento de água é usualmente mais caro e apenas adia uma crise. Para alguns países, aumentar a eficiência é a única solução às vezes. A irrigação pode ser e geralmente é terrivelmente ineficiente. Na média mundial, menos de 40% de toda a água usada na irrigação excessiva é a salinização. À medida que a água se evapora ou é absorvida pelas plantas, uma quantidade de sal se deposita e se acumula no solo. Novas técnicas de micro-irrigação, pelas quais tubulações perfuradas levam a água diretamente às plantas, fornecem boa maneira de conservar a água.
A captação de água subterrânea para aumentar o fornecimento de água deveria ser evitada a todo custo - a menos que se garanta que o aqüífero de onde se tira a água será reabastecido. Como a água subterrânea se mantém fora do alcance de nossas vistas, pode se tomar poluída gradualmente sem excitar o clamor público, até que seja tarde demais para reverter o dano causado pela poluição.
A adoção de programas de prevenção de poluição é preferível à utilização de técnicas de remoção de contaminantes em água poluída, uma vez que a tecnologia de purificação é cara e complexa à medida que o número de contaminantes cresce.
Paralelo a tudo isso, existe a necessidade de se fazer mais pesquisa sobre a hídrosfera, com estudos sobre a ecologia e a toxicologia da vida marinha; sobre,
o ciclo hidrológico e os fluxos entre seus compartimentos; sobre a extensão das reservas subterrâneas e sua contaminação; sobre as interações entre clima hidrológico.
''Predizer o que pode acontecer se medidas rigorosas não forem implementadas no manejo dos recursos hídricos é fácil. Rios que viraram esgotos, lagos que se tomaram fossas... Não vimos isso acontecer? Pessoas" morrem por beber água contaminada, a poluição sendo carregada para o mar ao longo das praias, peixes envenenados por metais pesados e a vida silvestre sendo destruída... A política do "laissez-faire com relação ao manejo da água só pode conjurar mais desgraças desse tipo - e em escala maior.
Mas temos esperança que o reconhecimento desse fato vai estimular
o governo e os povos à ação."

(Texto adaptado e atualizado de: J.W.Maurits Ia Riviere - "Threats to the World's Water" - Scientific American, special issue - Managing Planet Earth, 1989).