ECOARTIGOS


DICAS PARA ACAMPAR

A prática de campismo de um ambientalista procura aliar praticidade com atitudes ecologistas. É preciso ser prático, mas isso não nos dá direito de ser antiecológicos. Assim, algumas dicas são úteis para quem quer fazer camping em consonância com a conservação ambiental.
1. Lixo: produzir o mínimo. Embalagens retornáveis são preferíveis; algumas vezes são pouco práticas. Uma boa opção são as latas que pesam pouco e podem ser recicladas. Não são indicados plásticos e acartonados “longa vida”.
2. Louças de vidro devem ser evitadas. As melhores são as de metal. A prática da louça plástica descartável é condenada.
3. Leite em pó, café solúvel e assemelhados, são boas opções, desde que em latas. Esquenta-se a água (eventualmente numa fogueira) e tem-se o café com leite. Os potes voltam com os donos.
4. Outros alimentos enlatados também são opções. Mas a presença de alimentos naturais na dieta é da máxima importância: frutas, verduras, fibras.
5. Vale a máxima do escotismo “deixar o local mais limpo do que foi encontrado”. Levar sacolas para a coleta do lixo que irá produzir. Separar o lixo.
6. Em muitos locais não existe lixeiras ou recolhimento de lixo, o que fazer? Lixo orgânico pode servir de adubo. Se não gera ratos, moscas ou mau cheiro, como erva mate, café, restos de frutas e verduras, pode ser colocado sobre a terra. Outros lixos orgânicos devem ser enterrados.
7. Lixo higiênico: papéis, eventualmente, podem ser queimados; outros materiais, não.
8. Demais lixos: separar os recicláveis dos demais e levar de volta.
9. Limpeza de louça. O sabão biodegradável é o material mais indicado. Se não houver lavatório apropriado, reduzir o impacto ambiental ao máximo. Inicialmente, limpar os utensílios com papel (de preferência não branqueado) e, então, usar pouco sabão e pouca água. Despejar a água servida junto ao buraco feito para enterrar o lixo orgânico. Enquanto forem poucas pessoas e pouco tempo, o impacto gerado é baixo.
10. O mesmo se aplica à lavação de roupas e à higiene pessoal.
11. Repelentes de insetos: dar preferência às marcas não poluentes que são à base de produtos naturais, como a citronella.
12. Animais selvagens: devem ser observados, não molestados, nem caçados. Mesmo cobras e aranhas devem ser afugentadas e não mortas. Quando o objetivo do acampamento for observar animais, usar roupas de cor neutra.
13. Evitar chegar tarde ao local do acampamento. A luz do dia é importante para evitar atitudes de emergência. Antes de estender a barraca, observar bem o local, tentando identificar ninhos de animais (desde formigas até cobras) no chão e sob as copas das árvores. Muitos animais preferem locais com bastante vegetação. Locais não vegetados sob árvores de maior porte são mais seguros e causam baixo impacto.
14. Fogo: ter cuidado para não provocar acidentes e incêndios. A lenha usada deve ser coletada entre o material seco disponível, sem causar danos à vegetação. Por ser uma fonte reciclável de energia é melhor do que o uso de gás. Porém, se causar danos à vegetação, outras fontes são preferíveis. Uma fogueira bem cuidada pode ser acesa e pode ter importância para afugentar animais. Se for época de longa estiagem, redobrar os cuidados. O aquecimento de alimentos e água na fogueira pode ser realizado com vasilhames apropriados. Somente papel pode ser queimado; nunca plásticos, borrachas, e outros materiais sintéticos que, além da poluição do ar, deixam resíduos tóxicos nas cinzas.
15. À noite, não fazer barulhos desnecessários. TVs e aparelhos de som devem, de preferência, ser esquecidos em casa. O camping dá uma ótima oportunidade para escutar sons da natureza. Cantorias e acompanhamentos de instrumentos musicais podem aproximar a esses sons sem molestá-los.
16. Ambientalismo combina com trilhas, caminhadas, escaladas, remo, natação, mas não tem nada a ver com esportes motorizados, seja no solo, ar ou água.
17. Conduções devem respeitar o local reservado a elas. Passar por locais não identificados e desconhecidos com automóveis, motos ou outros, além de ser perigoso, pode danificar o ambiente.

Ecobé – a ONG que quer vida longa para a natureza do Vale do Taquari