ECOARTIGOS



QUEM SE IMPORTA COM UMA ÁRVORE?

Quando, na década de 80, jovens ecologistas fizeram um movimento para impedir o corte de árvores no centro de Santa Cruz do sul, políticos, empresários e professores trataram de desmerecê-los chamando-os de lunáticos ou sonhadores. Hoje, vinte anos depois, quem chega em Santa Cruz do Sul e conhece o chamado "túnel verde", avenida onde se encontra o calçadão e as principais lojas da cidade, não pode imaginar que foi essa a sua história. Pois, pela insistência dos ecologistas, as árvores não foram derrubadas, mas preservadas e recuperadas. E acabaram modificando a vida do espaço central da cidade e dando um impulso ao comércio. Tanto isso é verdade, que os lojistas das demais ruas solicitaram o plantio das mesmas espécies, visando aumentar a área urbanizada.
Olhando para a nossa região, em especial a cidade de Lajeado, vemos que a arborização é sofrível. A rua Júlio de Castilhos chega dar dó. No verão, os comerciantes se obrigam a colocar toldos para amenizar a intensidade do sol. Não é a toa que muitos compradores preferem o ar condicionado do shopping. Quem vem de Santa Cruz do Sul visitar Lajeado logo nota o "deserto" dessa cidade. E agora, a única árvore da rua está prestes a tombar.
Ao contrário do que foi sugerido, de que se quer impedir o desenvolvimento, o movimento pela preservação do guapuruvu tem o objetivo de demonstrar à sociedade que desenvolvimento pode e deve ser feito com conforto ambiental. Será, realmente, que não temos técnicos capazes de elaborar um projeto arquitetônico de um prédio que possa aproveitar a presença dessa bela árvore que se encontra quase na calçada? Que beleza seria! Temos muitos exemplos disso nas sociedades verdadeiramente modernas.
No entanto, se nos julgarmos realmente incapazes de evitar o sacrifício desse espécime, que a seiva derramada dessa gigante sirva para regar a semente da sensibilização das pessoas em torno da idéia de uma arborização real na cidade. Uma arborização que conte com espécies que dêem sombra e conforto aos cidadãos lajeadenses e turistas que queiram conhecer nossa cidade e nossos hábitos de vida.