ECOARTIGOS



TRANSGÊNICOS: CONTEXTANDO MITOS

As megaempresas que propagam os transgênicos usam uma série de argumentos para convencer a opinião pública da importância e necessidade deles. Os principais são:
* Os transgênicos são capazes de reduzir o problema da fome no mundo;
* Os transgênicos necessitam de menos agrotóxicos para produzir;
* Não há diferenças entre o alimento transgênico e o normal para o consumidor;
* Os países que não aprovarem o uso de transgênicos vão perder competitividade.
No entanto, a maioria dos argumentos usados não tem fundamentação sendo verdadeiros mitos criados para propagandear com milhões de dólares uma mercadoria com clara intenção comercial. Senão, vejamos:
* Os transgênicos são, normalmente, menos produtivos que os cultivos normais. Em alguns casos, as produtividades se eqüivalem. Portanto, não irão resolver o problema da fome, já que a produção não aumenta. Além do mais, a fome não é um problema genético, mas político e administrativo.
* Na prática, o uso de agrotóxicos com transgênicos têm aumentado. Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA, a soja transgênica, por exemplo, tem consumido, em média, 11% mais agrotóxicos do que a convencional e há zonas onde se utiliza até 30% a mais.
* 75 % dos transgênicos são resistentes a herbicidas. Isso não significa que não absorvem o veneno, mas que o absorvem mas não morrem, como ocorreria com uma planta normal. É claro, pois, que esse alimento terá níveis muito maiores de veneno do que os alimentos convencionais. Além disso, muitos dos alimentos transgênicos já foram confirmados como tendo possíveis efeitos nocivos à saúde. Existem poucos estudos nesse sentido deixando o consumidor numa situação de aflição.
* Na atual situação, os países que conseguirem resistir à liberação dos transgênicos terão mercado de produto convencional garantido e, melhor do que isso, com um preço acima da média. A soja convencional, por exemplo, tem sido comercializada a um preço de US$ 8,00 a mais por tonelada do que a soja transgênica.
Vê-se, então, que a prática está contradizendo a propaganda. Não vamos acreditar em propagandas enganosas que escondem interesses comerciais Somos a favor da vida, da natureza, da promoção da agroecologia. Chega de artificialismos! Queremos um Brasil livre de transgênicos e, para isso, temos que unir nossas forças para lutar e rejeitar definitivamente a liberação do cultivo desses alimentos em nosso país.